Nova onda olímpica: A estreia do Surf nos Jogos de Tóquio

Aqueles que são amantes de esportes já estão contando os dias para 23 de julho, data de início das olimpíadas.

Os Jogos Olímpicos de Tóquio, que serão realizados este ano após o adiamento em 2020, estão deixando muitos ávidos pela sua estreia, principalmente porque serão o palco de estreia do Surf como modalidade oficial.

Esse, que é hoje um dos esportes mais populares do mundo, com milhões de apaixonados ao redor do planeta, só foi incluído oficialmente pelo comitê olímpico para os jogos deste ano, ainda que já faça parte de maneira indireta da história olímpica há décadas.

 Neste contexto, cabe a pergunta: “Como é possível tamanha façanha?”. Esse feito só poderia ser digno de alguém de igual grandiosidade: Duke Kahanamoku.

O havaiano (foto abaixo), considerado por historiadores o difusor do surf moderno, utilizou da sua notoriedade como medalhista de ouro em natação para ganhar espaço e fazer exibições do seu esporte do coração ao redor do mundo, incentivando milhares de pessoas a surfar também. Fato que, até em então, era tido como exótico, se tornou graças a ele parte do dia a dia das praias de todo o globo.


O título de Duke como “Pai do Surf”, além do grande papel na popularização do esporte, se deve também ao fato de que, quando foi agraciado com o seu primeiro pódio no nado, aceitou a medalha de ouro com uma condição: A inserção do surf como modalidade olímpica oficial.

A ideia, considerada arrojada para os anos 1912, foi ganhando cada vez mais força com a disseminação do surf, mesmo levando mais de um século para ser oficializada. Ainda assim devemos, em grande parte, a Kahanamoku a possibilidade de prestigiar o espetáculo que o surf olímpico com certeza nos proporcionará.


 Este ano, a estreia do surf nas Olimpíadas inclui um alinhamento de campeões mundiais, veteranos do tour da World Surf League (WSL) e profissionais novatos prontos para deixar sua marca no esporte. EUA e Austrália são os países mais consagrados nos circuitos mundiais, mas o Brasil também figura entre os favoritos para o pódio em Tóquio - com o bicampeão mundial Gabriel Medina e o atual campeão mundial Ítalo Ferreira, além das surfistas Tatiana Weston-Webb e Silvana Lima, temos grandes chances de conquistar o tão cobiçado ouro olímpico.

               

E aí, já estão ansiosos para o início das Olimpíadas de Tóquio?